Como selecionar boas ideias?

Os inovadores de todo o Brasil mostraram que têm espírito empreendedor e, até o momento, submeteram mais de 14 mil ideias no Programa Centelha em todo Brasil. A iniciativa é promovida pelo Ministério da Ciência, Tecnologia e Inovações  (MCTI) e pela Financiadora de Estudos e Projetos (Finep), em parceria com o Conselho Nacional de Desenvolvimento Científico e Tecnológico (CNPq) e o Conselho Nacional das Fundações Estaduais de Amparo à Pesquisa (Confap), e operada pela Fundação CERTI.

Mas você deve estar se perguntando: como selecionar, dentre as mais de 14.000 ideias, as mais promissoras?! O desafio é grande! Todos os critérios e o passo a passo das avaliações estão dispostos nos editais de cada estado, mas preparamos esse post especial para você ficar por dentro de como funciona o processo de seleção e avaliação do Programa Centelha. Tire 5 minutinhos do seu tempo e vem com a gente!

A seleção dos avaliadores

O primeiro passo para que a avaliação aconteça é selecionar bons avaliadores, especialistas nos setores de aplicação do edital do programa. No início de cada edital dos estados, as Equipes Executoras realizam workshops  para a apresentação do programa às instituições regionais, com participantes de órgãos do governo, incubadoras, ICTI’s, empresas e entidades de apoio local.

Os parceiros regionais tiveram a oportunidade de indicar especialistas para formarem o comitê de avaliação do programa, durante os eventos e posteriormente de forma online. Concomitantemente, as Equipes Executoras fazem a seleção de seus melhores avaliadores que atuaram em outros editais, para incluir no grupo de especialistas.

Para ser um Avaliador Centelha, o especialista tem seu currículo analisado pelo Comitê Gestor do programa, que homologa aqueles com: (1) comprovada capacidade técnica; (2) experiência de mercado; (3) comprometimento em trabalhos anteriores; (4) qualidade dos feedbacks oferecidos aos empreendedores.

Os avaliadores são alocados para análise de projetos dependendo de sua especialidade e temática da ideia submetida. Se o avaliador “A” é especialista em Gestão, projetos voltados à temática serão alocados a ele.

A definição dos critérios de avaliação

A metodologia de avaliação do Centelha foi desenvolvida a partir de estudos realizados com base em diversos mecanismos internacionais de avaliação e seleção de ideias. O modelo também é inspirado na metodologia do Programa Sinapse da Inovação, que vem sendo aprimorada há mais de dez anos, desde sua primeira edição em 2008.

Garantindo o alinhamento de critérios entre os avaliadores

Antes de realizar a avaliação, cada avaliador participa de capacitações, a fim de compreender e alinhar os critérios que serão considerados em cada etapa da metodologia Centelha. As capacitações, assim como a dos empreendedores, acontecem de forma online, por meio de vídeos acompanhados de uma apostila com orientações.

Mais de 14.000 ideias submetidas… e agora?!

Cada ideia submetida no programa conta com a avaliação de dois especialistas, que não tenham vínculo com a instituição de origem do proponente, e que atribuem uma nota e um parecer escrito sobre o projeto.

As ideias submetidas passam por um funil composto pelas 3 fases do programa:

Fase 1: Ideia Inovadora
Fase 2: Projeto de Empreendimento
Fase 3: Projeto de Fomento

Fase 1: Ideia inovadora

A primeira fase do programa é considerada “pré-qualificatória”, na qual são concedidas capacitações aos candidatos, visando preparação para as fases 2 e 3. Dessa forma, mesmo que a ideia não seja selecionada para a próxima fase, os integrantes da equipe passam por capacitações online que visam orientar o empreendedor acerca do Programa Centelha e também sobre temas como Inovação, Empreendedorismo, Validação de ideias, Mercado, Oportunidades de Negócio, Pitch, Equipe Empreendedora, entre outras.

Além dos vídeos de capacitação online, no Centelha AL, por exemplo, a Equipe Executora realizou Oficinas de Ideação na cidade de Maceió que tiveram o objetivo de auxiliar os proponentes a preencherem o formulário de Ideia Inovadora de maneira presencial.

Oficina de Ideação realizada em Maceió, na UNIT.

A iniciativa de qualificar durante todas as fases do Centelha é positiva, pois impacta diretamente um dos objetivos do programa: estimular o aumento da quantidade e qualidade de propostas submetidas aos ambientes de inovação (incubadoras, aceleradoras, espaços de coworking, etc.), por parte das empresas brasileiras de base tecnológica.

Existem três critérios para a avaliação das ideias submetidas na primeira fase do programa:

Por fim, a pontuação da ideia é obtida pelo produto da nota do Potencial de Mercado pelo Potencial de Inovação, somada à nota do perfil da Equipe Empreendedora. Ou seja:

Ao fim da primeira fase, até 200 ideias que obtiveram as maiores notas no estado são selecionadas. Muitos empreendedores submetem mais de uma ideia na plataforma Centelha. Assim, caso o proponente tenha mais de uma ideia com nota suficiente para ser aprovada, é selecionada para a fase de Projeto de Empreendimento, aquela que tiver obtido a maior pontuação.

 

Fase 2: Projeto de Empreendimento

A segunda etapa do Programa Centelha exige um maior detalhamento sobre o plano de execução da ideia proposta pelos participantes. Ao final desta etapa, até 100 projetos, em cada estado, continuam na disputa pela subvenção.

O Projeto de Empreendimento traduz-se em um plano para a implementação do negócio do proponente. Assim, por meio da apresentação de fundamentos técnico-científicos e também mercadológicos do produto ou serviço, é possível avaliar o potencial e a viabilidade da ideia submetida.

Para muitos empreendedores, esse é o primeiro plano de negócios criado para a ideia. Pensando nisso, o Centelha oferece às equipes participantes da Fase 2, uma gama de capacitações criadas por especialistas a fim de auxiliar na construção do projeto de empreendimento. Entre elas, estão:

  • Palestra Introdutória sobre o Projeto de Empreendimento
  • Estratégias de Comunicação
  • Desafios de Desenvolvimento
  • Modelos de Receita
  • Proposta de Valor
  • Planejando o MVP
  • Tecnologias e Tendências
  • Jornada de um empreendedor

Além dos conteúdos online, algumas Equipes Executoras proporcionaram eventos de capacitação presencial aos participantes. Foi o caso do Centelha ES, que organizou uma Maratona de Mentoria, com a participação de especialistas convidados para auxiliar os proponentes na submissão do Projeto de Empreendimento.

Maratona de Mentoria, realizada no IFES.

O que a equipe de avaliadores Centelha espera durante a seleção, é encontrar Projetos de Empreendimento que demonstrem potencial, inovação e viabilidade de se concretizar. Para tal, os avaliadores tem como base a Metodologia Centelha para o desenvolvimento de novos negócios em 6 vertentes:

Para atribuição da nota, a metodologia Centelha leva em consideração os seguintes critérios:

A pontuação da segunda fase é obtida pela multiplicação dos três critérios, em que os dois primeiros fornecem o potencial do negócio e o terceiro, o fator de risco, é um redutor que leva em conta a probabilidade de o negócio, mesmo tendo potencial, não resultar em sucesso. Dessa forma, a pontuação 1,0 significa máxima possibilidade de sucesso.

Selecionados os 100 projetos com as maiores notas, seguimos para a Fase 3!

 

Fase 3: Projeto de Fomento

A última etapa do funil consiste na submissão de um Projeto de Fomento. Mas o que é isso?
O objetivo do Projeto de Fomento é planejar as principais atividades e desembolsos que a empresa efetuará na Fase de Acompanhamento do programa para desenvolver seu produto e seu negócio. Dessa forma, o empreendedor deverá desenvolver um planejamento para os meses de desenvolvimento, respondendo às seguintes perguntas:

Assim como nas fases anteriores, uma série de capacitações online são disponibilizadas. Para auxiliar na submissão na Fase 3, a Equipe Executora do Centelha PB organizou um treinamento presencial para os participantes do edital no estado. A Fapesq/PB realizou, em parceria com o Sebrae PB, oficinas de Modelagem de Negócios em Canvas voltadas aos selecionados para a Fase 3 do Programa Centelha.

Centro de Educação Empreendedora do SEBRAE PB, em João Pessoa

Para a seleção dos melhores projetos nessa fase, o julgamento dos avaliadores dependerá dos seguintes critérios:

A seleção dos projetos aprovados depende da consistência de seu Plano de Aplicação dos Recursos. É muito importante atentar aos itens que são financiáveis pelo edital e aos que não são, para que o projeto não seja prejudicado.

Por fim, a nota final no programa é dada pela média simples das notas das fases 2 e 3.

Agora, os projetos aprovados têm um período para formalizar suas empresas e receber a subvenção, que varia de acordo com o estado. Na sequência, durante seis meses, passarão por um processo de desenvolvimento e acompanhamento com suporte e capacitação para transformar suas ideias em negócios de sucesso.

Feedback aos empreendedores

Vale a pena ressaltar que os pareceres escritos pelos avaliadores são disponibilizados via e-mail para os proponentes que solicitam o feedback, conforme previsto no edital. A Equipe Centelha acredita que as observações feitas sobre os projetos podem servir de insumo para a evolução da equipe e desenvolvimento do produto ou serviço, mesmo que a equipe não seja contemplada pelo programa.

Recursos Administrativos

O Edital que rege o programa possibilita o pedido de recursos administrativos em todas as fases. O proponente pode solicitar, no prazo indicado, o parecer com as justificativas apresentadas pelos avaliadores, podendo solicitar o recurso administrativo, caso julgue necessário. Todos os recursos são analisados pelo Comitê Gestor do programa para a homologação do resultado final.

Também quero selecionar IDEIAS INOVADORAS

Gostou da metodologia e gostaria de fazer parte da comunidade de avaliadores do Centelha? Cadastre-se no formulário!

 

Workshop com Equipes Executoras do Programa Centelha

Até o momento, o Programa Centelha já recebeu mais de 14 mil ideias inovadoras de pessoas físicas e micro empresas, com mais de 35 mil empreendedores participantes nas equipes. Nos dias 12 e 13 de março, em Brasília, o Ministério da Ciência, Tecnologia, Inovações e Comunicações (MCTIC) reúne gestores estaduais do Centelha para avaliar resultados e identificar ajustes no programa destinado a incentivar o empreendedorismo por meio de capacitações, subvenções financeiras e suporte.

O Centelha tem como metas até a sua conclusão capacitar 20 mil empreendedores e gerar quase 600 startups em todo o país. Para o secretário-executivo do Ministério da Ciência, Tecnologia, Inovações e Comunicações (MCTIC), Julio Semeghini, que participou da abertura do workshop, o programa oferece a oportunidade de transformar ideias em negócios concretos.  “Quanta gente quer ter a oportunidade de transformar sua ideia, seu projeto, em um negócio concreto? Este desafio é muito importante para o governo. A gente tem que preparar o país para esta realidade que estamos vivendo”, disse.

O investimento na implementação do programa, subvenções, bolsas de fomento tecnológico e contrapartidas estaduais é de R$ 41,5 milhões. A iniciativa é promovida pelo Ministério da Ciência, Tecnologia, Inovações e Comunicações (MCTIC) e pela Financiadora de Estudos e Projetos (Finep), em parceria com o Conselho Nacional de Desenvolvimento Científico e Tecnológico (CNPq) e o Conselho Nacional das Fundações Estaduais de Amparo à Pesquisa (Confap), e operada pela Fundação CERTI.

Para a representante do Serviço Brasileiro de Apoio às Micro e Pequenas Empresas (Sebrae), Algéria Varela, que coordena o Centelha no Rio Grande do Norte, o programa trouxe muitos ganhos para o ecossistema de inovação da região. “Para o meu estado foi um ganho gigantesco. Nós conseguimos alavancar muitas ideias. O Centelha vem a contribuir com o primeiro edital de subvenção que teve uma participação maciça de todo o ecossistema de inovação, como as startups. O sistema é muito fácil de ser operacionalizado e isso facilita nosso trabalho”.

O programa é executado de forma descentralizada. Dos 21 Estados aprovados pela carta-convite da Finep, 18 já estão com o programa em andamento em diferentes fases, que vão desde a submissão de ideias até a contratação dos projetos. Para o coordenador de Ambientes Inovadores do MCTIC, Publio Ribeiro, os números colocam o programa como um dos maiores do mundo no incentivo ao empreendedorismo.

“O número de 14,3 mil ideias submetidas nesses estados coloca o Centelha como um dos maiores programas de empreendedorismo inovador no mundo. Certamente o maior já realizado no Brasil”, aponta.

MCTIC, Fundação CERTI, CNPq e Finep

Equipe Centelha AM

Equipe Centelha AM

Equipe Centelha GO

Equipe Centelha GO

 

Equipe Centelha PB

Equipe Centelha PB

Equipe Centelha RN

Equipe Centelha RN

Como formar o time ideal?

Por trás de toda ideia inovadora há um grupo de pessoas que unem suas competências para construir juntas o que individualmente não seria possível. A formação de uma equipe ideal, no entanto, não é uma tarefa fácil e diversos empreendedores se perguntam: como encontrar as pessoas ideais para formar um time de sucesso?

A escolha dos sócios ou demais membros da equipe é uma decisão fundamental na trajetória de um negócio, sendo um dos principais fatores que influenciam na sua sobrevivência e sucesso.

Pensando nisso, o Programa Centelha preparou um vídeo em parceria com a aceleradora Darwin Starter, com as principais dicas para você encontrar as pessoas certas, formar seu time e desenvolver suas ideias.

Confira este e outros vídeos de capacitação no nosso canal:

 

Faça parte da Rede de Parceiros do Programa Centelha

O Programa Centelha está chegando a 21 estados brasileiros para estimular a criação de empreendimentos inovadores e disseminar a cultura empreendedora no Brasil. Que tal fazer parte da Rede de Parceiros do programa e ajudar a impactar o ecossistema da sua região e do país?

A iniciativa é promovida pelo Ministério da Ciência, Tecnologia, Inovações e Comunicações (MCTIC) e pela Financiadora de Estudos e Projetos (Finep), em parceria com o Conselho Nacional de Desenvolvimento Científico e Tecnológico (CNPq) e o Conselho Nacional das Fundações Estaduais de Amparo à Pesquisa (Confap), e operada pela Fundação CERTI. Em 20 estados, o programa será executado por suas Fundações de Amparo à Pesquisa e, no Rio Grande do Norte, pelo Sebrae.

O Centelha foi criado por um conjunto de instituições para ser desenvolvido em parceria com tantas outras, já que acredita na importância do trabalho cooperado para a geração de empreendimentos inovadores. Neste sentido, o programa convida todos os atores que trabalham com ciência, tecnologia, inovação, empreendedorismo e startups para fazer parte da sua Rede de Parceiros.

 

Quem pode fazer parte da rede?

Parceiros Centelha: academia, empresas, governo, sociedade e mecanismos de inovação

A Rede de Parceiros é composta por instituições de diferentes esferas, tais como academia, empresas, governo, sociedade organizada e mecanismos de inovação em geral. São exemplos dessas instituições as universidades, incubadoras, aceleradoras, coworkings, comunidades de startups, associações comerciais, federações industriais, escolas técnicas, empresas juniores, parques tecnológicos, prefeituras, fundos de investimento, entre outras. Além disso, pessoas físicas também podem atuar como um Agente Centelha, independente de seus vínculos institucionais.

 

Benefícios para Parceiros

O principal benefício oferecido aos parceiros do Programa Centelha é a possibilidade de contribuir para o fortalecimento da cultura empreendedora e do ecossistema de inovação brasileiro. Além disso, os parceiros têm como benefícios:

  • Inclusão do seu logotipo no site do Programa Centelha;
  • Divulgação da sua marca para a comunidade de empreendedores e demais parceiros do Programa Centelha;
  • Conexão com startups de todo o Brasil (estima-se o envolvimento de mais de 20 mil empreendedores em todo o país);
  • Acesso a materiais exclusivos do Programa;
  • Acesso a novidades do Programa e demais ações do MCTIC e Finep.

 

Como posso contribuir?

As instituições parceiras e os Agentes Centelha podem contribuir de diversas formas, tais como:

  • Divulgação da oportunidade em suas redes sociais;
  • Envio de e-mails de divulgação à sua rede;
  • Realização de eventos de divulgação;
  • Mobilização de sua região ou instituição;
  • Incentivo à submissão de propostas;
  • Esclarecimento de dúvidas dos empreendedores;
  • Orientação aos interessados no programa;
  • Orientação na abertura das empresas;
  • Disponibilização de conteúdos sobre empreendedorismo e startups;
  • Indicação de especialistas para atuarem como avaliadores;
  • Avaliação de propostas de acordo com os critérios pré-definidos;
  • Indicação de palestrantes para capacitação empreendedora;
  • Disponibilização de espaços para eventos e workshops;
  • Oferecimento de serviços, ferramentas e apoio às empresas;
  • Entre outros.

 

E aí, vai ficar de fora?

Faça parte dessa rede! Realize seu pré-cadastro neste link.

Na sequência, as equipes de cada estado entrarão em contato com as instituições e agentes interessados para repassar mais informações sobre o programa e dar continuidade na parceria.

Em caso de dúvidas, a Equipe Centelha está à disposição pelo e-mail: contato@centelha2021.dev.cc

Faça parte da Rede de Parceiros do Programa Centelha

 

Programa Centelha: o primeiro impulso para quem quer empreender

O Programa Centelha, o mais novo programa nacional de incentivo ao empreendedorismo inovador, iniciará a sua primeira edição em 21 estados, no primeiro semestre de 2019. O programa foi idealizado com o objetivo de estimular a criação de empreendimentos inovadores, a partir da geração de novas ideias, e disseminar a cultura do empreendedorismo inovador em todo território nacional, incentivando a mobilização e a articulação institucional dos atores nos ecossistemas locais, estaduais e regionais de inovação do país. A iniciativa é promovida pelo Ministério da Ciência, Tecnologia, Inovações e Comunicações (MCTIC) e pela Financiadora de Estudos e Projetos (Finep), em parceria com o Conselho Nacional de Desenvolvimento Científico e Tecnológico (CNPq) e o Conselho Nacional das Fundações Estaduais de Amparo à Pesquisa (Confap), e operada pela Fundação CERTI.

O programa será executado de forma descentralizada, por meio da articulação institucional e cooperação com órgãos e entidades da administração pública estadual que atuam na área de ciência, tecnologia e inovação, com o apoio técnico e financeiro do MCTIC e das agências federais de fomento. Dos 21 projetos aprovados pela Finep na seleção pública de propostas dos parceiros operacionais estaduais, 19 são provenientes das Fundações de Amparo à Pesquisa (FAPs) dos estados. No total, a previsão é de que sejam investidos R$ 34 milhões, sendo R$ 21 milhões pela Finep e R$ 13 milhões pelos parceiros nos estados.

BENEFÍCIOS

Os principais benefícios a serem oferecidos pelo programa são capacitações, recursos financeiros e suporte para ajudar empreendedores a transformarem suas ideias em negócios de sucesso. O Programa Centelha irá oferecer mais de R$ 40 mil reais por empresa contemplada em subvenção da Finep e de seus respectivos parceiros estaduais para ajudar os novos empreendedores a tirarem seu negócio do papel. O programa visa também contribuir para ampliação da quantidade e melhoria da qualidade das propostas de empreendimentos de base tecnológica submetidas aos ambientes promotores de inovação existentes no país, tais como incubadoras, aceleradoras de empresas, espaços de coworking, laboratórios abertos de prototipagem, parques e polos tecnológicos.

ESTADOS PARTICIPANTES

Participam da primeira edição do Programa Centelha os seguintes estados: Alagoas, Amapá, Amazonas, Bahia, Ceará, Distrito Federal, Espírito Santo, Goiás, Maranhão, Mato Grosso, Mato Grosso do Sul, Minas Gerais, Paraíba, Paraná, Pernambuco, Piauí, Rio de Janeiro, Rio Grande do Norte, Rio Grande do Sul, Santa Catarina e Sergipe. Cada estado irá lançar um edital com suas regras próprias, que estará disponível em breve.

INSCRIÇÕES

O período de inscrições para empreendedores interessados deve acontecer ainda no primeiro semestre de 2019. Enquanto isso, o programa já oferece informações para a comunidade empreendedora por meio do FacebookInstagramLinkedIn e Twitter, e também em nossa newsletter repleta de dicas para que os empreendedores cheguem com suas ideias mais preparadas no lançamento do edital.